Fernando Collor

Senador, PTC

Fernando Affonso Collor de Mello, nascido em 12/08/1949, jornalista e economista, pré-candidato a Presidente

Fernando Collor de Mello foi o primeiro presidente eleito por voto direto após a Ditadura Militar, em 1989, vencendo Lula na disputa e usando o mote de "caçador de marajás". Quando assumiu, em 1990, foi o presidente mais jovem da história do Brasil. Mas, seu mandato durou pouco mais de dois anos: ele foi afastado temporariamente e foi o primeiro comandante do Executivo a sofrer um processo de impeachment. Seu governo foi marcado por denúncias de corrupção, feitas inclusive por seu próprio irmão. O esquema de corrupção havia sido montado pelo seu ex-tesoureiro de campanha, Paulo César Farias, e teria movimentado mais de US$ 1 bilhão dos cofres públicos e teria como beneficiários figurões do alto escalão do governo. Além disso, os planos econômicos montados por sua equipe – Collor I e Collor II – fracassaram: não trouxeram estabilidade à economia que sofria com a hiperinflação e ainda culminaram com o confisco do dinheiro da poupança. Na época, houve uma grande mobilização popular, sobretudo do movimento estudantil, que ficou conhecida como caras-pintadas: era a população indo às ruas protestar contra o presidente. Collor sofreu o processo de impeachment, ficou inelegível por oito anos, mas seu processo por corrupção passiva acabou arquivado no STF por falta de provas de sua ligação com o esquema de PC Farias. Collor voltou à vida pública em 2007, quando iniciou o mandato de senador por Alagoas, para o qual foi reeleito em 2015. Alvo da Lava Jato – ele é acusado de ter recebido R$ 29 milhões em propinas pela suposta influência política na BR Distribuidora – ele anunciou a intenção de disputar as eleições presidenciais em janeiro de 2018. Segundo Collor, ele seria uma opção mais moderada, não se colocando nos extremos do campo político, e ainda tem a vantagem em relação a outros candidatos por já ter sido presidente e ser conhecido da população.